• Sinpol

POLÍCIA CIVIL APREENDE MAIS DE 1,2 TONELADA DE MACONHA DO TIPO SKUNK EM LANCHA ENCONTRADA NO TARUMÃ



O delegado-geral da Polícia Civil do Amazonas, Lázaro Ramos, acompanhado do diretor e da diretora-adjunta do Departamento de Investigação sobre Narcóticos (Denarc), delegados Paulo Mavignier e Tamara Albano, respectivamente, além do coordenador do Grupo Força Especial de Resgate e Assalto (Fera), delegado Juan Valério, falou na manhã desta quinta-feira (18/4), durante coletiva de imprensa realizada às 11h, no prédio da Delegacia Geral, sobre a apreensão de 1,2 tonelada de maconha do tipo skunk e de uma espingarda, durante ação policial deflagrada no bairro Tarumã, zona oeste de Manaus.


Conforme o delegado-geral, com essa ação, a Polícia Civil do Estado contabiliza 3,5 toneladas de drogas apreendidas nos primeiros quatro meses deste ano, causando um prejuízo bastante expressivo às facções criminosas que atuam no Estado. Lázaro Ramos enfatizou que participaram dos trabalhos as equipes do Denarc, Delegacia Fluvial (Deflu) e Grupo Fera, a equipe de elite da instituição.


“Foram dois meses de investigações, fazendo uso de toda a tecnologia que nós dispomos, juntamente com a Secretaria-Executiva-Adjunta de Inteligência (Seai), vinculada à Secretaria de Estado de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM). Os métodos usados não podemos detalhar nesse tipo de caso”, declarou Ramos.


De acordo com o delegado Paulo Mavignier, a mercadoria ilícita foi encontrada na madrugada desta quinta-feira (18/4), por volta das 2h30, em uma lancha escondida nas proximidades da Praia da Lua, no bairro Tarumã, zona oeste da capital. Além de pouco mais de uma tonelada de maconha do tipo skunk, uma espingarda foi apreendida ao longo dos trabalhos. As equipes policiais montaram campana no local após o recebimento de delações sobre movimentações suspeitas no lugar.


“Ontem (17/4) recebemos a informação de que a substância ilícita seria guardada em um lugar perto à Praia da Lua. O entorpecente veio em uma lancha maior e foi depositado no fundo de um igarapé, onde estavam mais duas lanchas e um bote, com ocupantes vigiando o carregamento. Equipes do Denarc, Grupo Fera e da Deflu fizeram a incursão no local e, felizmente, conseguimos encontrar a droga, avaliada em R$ 6 milhões”, declarou Mavignier.


O diretor do Denarc destacou que ao perceberem a aproximação dos policiais civis no lugar, os ocupantes das embarcações empreenderam fuga, entrando na mata e deixado para trás o carregamento da mercadoria ilícita. A droga, segundo Mavignier, veio do município de Maraã, distante 634 quilômetros em linha reta da capital, e tinha como destino final Manaus. “Provavelmente seria usada para abastecer bocas de fumo na capital e também distribuída para outros estados”, disse.



Disque-Denúncia - Para concluir, Paulo Mavignier ressaltou a importância de delações feitas pela população ao disque-denúncia do Denarc: (92) 99415-0129. “O apoio da sociedade, por meio de denúncias, tem contribuído significativamente com esses resultados alcançados. Também disponibilizamos o 181, o disque-denúncia da SSP-AM. Asseguramos o sigilo sobre a identidade dos informantes”, garantiu.


FOTO: Erlon Rodrigues/ Assessoria de Imprensa da Polícia Civil do Estado do Amazonas.


O SINDICATO DOS SERVIDORES DA POLÍCIA CIVIL DO AMAZONAS PARABENIZA A AÇÃO EXITOSA DAS UNIDADES DE SEGURANÇA DA PCAM.


O Presidente do SINPOL-AM, Jaime Lopes, em nome de toda a categoria parabeniza a ação exitosa realizada pelos grupos de Elite da PCAM - DENARC, DELEGACIA FLUVIAL (DEFLU) E GRUPO FERA – que culminou com tamanha apreensão de maconha do tipo skunk. Essa ação é benéfica para a sociedade não somente pelo fato de haver dado um golpe duro nas organizações criminosas que traficam drogas, mas por ter evitado que esse maldito material chegasse aos jovens de nossa cidade e de outros estados. Sabemos que os entorpecentes são um sério problema de ordem pública com reflexos desastrosos no prisma da saúde. O Sinpol destaca, ainda, que os abnegados policiais que combatem o tráfico de drogas em nossa região, o fazem, muitas vezes, com recursos escassos; em campanas que têm hora para começar, porém, não para terminar; trabalhando madrugadas a fio; embarcados, com o risco de navegar nas águas escuras e perigosas de nossos rios; e, acima de tudo, muitas vezes distantes de suas família. É por saber que essa ação e muitas outras já vividas é digna das mais altas honrarias, que o Sinpol Amazonas elogia, diante de toda sociedade amazonense, todos os envolvidos nesse feito hercúleo e ratifica o caráter diferenciado da Polícia Civil do Estado do Amazonas na defesa da sociedade.


© 2020 - SINPOL-AM. CSPQ Tecnologia.