• Sinpol

MOVIMENTO NEGRO INAÔ-AM INDICA O PRESIDENTE DO SINPOL-AM PARA PREMIAÇÃO



O Movimento Negro Inaô-Am irá realizar cerimônia para homenagear aquelas pessoas que realizaram trabalhos de conscientização contra o racismo.


O presidente do Instituto Nacional Afro Origem do Amazoans (INAÔ-AM) Christian Rocha falou ao Portal do Sinpol-AM sobre a indicação. Jaime será premiado por sua parceria com o Instituto, acenando sempre de maneira positiva para as atividades de conscientização, no intuito de fazer uma sociedade mais harmoniosa e respeitosa, afirmou Rocha.


Outro destaque para a indicação de Jaime Lopes é que em uma sociedade com número altos de violência contra os negro, encontrar apoio em um sindicato policial é algo visto apenas no Amazonas.


Além do Presidente do Sinpol-AM, nomes como Celestina Maria, representante do Amazonas no The Voice +; Serafim Corrêa, Deputado Estadual; Graça Prola, Diretora do Departamento de Direitos Humanos do Município; Plínio Valério, Senador pelo Amazonas; dentre outros, consta na lista dos agraciados.


O movimento “Negritude Socialista Brasileiro” consciente da necessidade de criar uma entidade que os represente na sociedade civil, no dia 15 de junho de 2013 fundou o Instituto Nacional Afro Origem, cuja sigla é denominada “INAÔ”, que além de se organizar no combate ao racismo e a qualquer tipo de violência e discriminação aos quais negros e negras são submetidos, coloca como seus principais objetivos a promoção da ética, da cidadania, dos direitos humanos, da democracia e dos demais valores universais.


De acordo com o último senso da sociedade brasileira, 63% da população se autodeclararam negra ou parda, o que determina a necessidade de se criar mecanismos e instrumentos que possam melhorar o trabalho com essa população negra brasileira, e assim, de forma determinada fundou essa associação/OSCIP, que foi referendada por todos os membros fundadores, e sua denominação “Afro Origem” se justifica por ser o continente africano o berço da humanidade, segundo as pesquisas antropológicas mais recentes.




0 comentário